09/07/2017 | 19h57m

Confusão

Bruno de Luca é condenado a pagar R$ 15 mil por ofender recepcionista de hotel em Florianópolis

Segundo testemunhas, o ator chamou o funcionário do Majestic de "favelado, "pobre de m." e "vagabundo", entre outros xingamentos 

Bruno de Luca durante gravação no Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves, em novembro do ano passado

Bruno de Luca durante gravação no Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves, em novembro do ano passadoInstagram / Divulgação

A 1ª Câmara Civil do Tribunal de Justiça de Santa Catarina manteve na última sexta-feira (07/07) a sentença da comarca de Florianópolis que condenou ator e apresentador de TV Bruno de Luca a pagar danos morais por ter agredido o então funcionário do hotel Majestic em Florianópolis Cristiano de Oliveira Nunes. A pedido da vítima, o TJSC ainda aumentou o valor da indenização de R$ 10 mil para R$ 15 mil, com juros retroativos à data do ocorrido. A confusão aconteceu na madrugada de 11 de novembro de 2009, época do Folianópolis, quando o hotel fica lotado. A atriz Lívia Lemos também estava presente, porém não foi condenada, nem arrolada como testemunha.

Segundo os autos, Bruno de Luca chegou ao local por volta das 5h acompanhado de amigos e subiu para o quarto. Na sequência, outros hóspedes começaram a ligar para a portaria reclamando do som alto e balbúrdia no apartamento onde o ator estava. Houve um pedido para que ele baixasse o volume e reduzisse os barulho; porém sem resultado. O funcionário então informou que faria o registro do ocorrido no livro de hóspedes. Nesse momento, Bruno e Lívia desceram até a recepção e, bastante alterados e aparentemente embriagados, agrediram física e verbalmente o recepcionista e um colega dele.

Cerca de 50 pessoas se aglomeraram na recepção para assistir à briga. Em sua defesa, de Luca culpou o funcionário pela confusão sustentando que ele invadiu seu apartamento sem autorização. Minimizou o conflito e as ofensas ao garantir que as agressões foram mútuas.

Segundo colegas de Cristiano ouvidos como testemunhas pela Justiça, Bruno chamou a vítima de "favelado", "recepcionista de merda", "vagabundo", "pobre f*****", "filho da p***" e ameaçou com o típico "vocês não sabem com quem estão falando". Relatam que a atriz Lívia Lemos deu um soco na boca de Cristiano e tentou arrancar-lhe o livro de hóspedes. Segundo as testemunhas, o recepcionista não revidou as agressões, mas acabou demitido pouco tempo depois, sem motivo esclarecido.

Ator e apresentação no Egito durante gravação do programa Vai pra Onde, em 5 de julho  Foto: Multishow / Divulgação

O desembargador Raulino Brüning, relator da apelação, considerou que as provas em vídeo e o relato das testemunhas mostram que as agressões não foram recíprocas. Caberia ao réu provar que os fatos ocorreram de forma diferente, o que ele não fez.

"Assim, evidenciado o comportamento ofensivo do requerido, consubstanciado em graves agressões verbais, que foram presenciadas por diversas pessoas, é de se negar provimento ao seu apelo, mantendo intocada a sentença que o responsabilizou pelos xingamentos direcionados ao requerente", escreveu Brüning.

Para elevar a indenização, o relator argumentou que o fato de o ator estar alcoolizado não justifica o comportamento:

"O estado de etilidade do réu pode até explicar seu comportamento, mas não justifica sua conduta. A ninguém é dado embriagar-se e, neste estado de desorientação psiconeurossomática, fazer o que bem entende".

A decisão foi unânime, mas há possibilidade de recurso aos tribunais superiores. A reportagem entrou em contato com a assessoria do ator Bruno de Luca; contudo, não obteve retorno.

O acórdão está disponível no site do TJSC