23/08/2017 | 11h16m

Viva

Depois dos 50, eles voltaram à universidade

Alunos mais velhos destacam-se pela força de vontade e disciplina

Matriculada em Serviço Social, Dona Vanis não vê a hora de começar as aulas

Matriculada em Serviço Social, Dona Vanis não vê a hora de começar as aulasLucas Amorelli / New CO DSM

A cada início de semestre, é comum ver um monte de jovens alunos pelos corredores das universidades. Mas, outra faixa etária também tem ganhado espaço nas salas de aula de curso superior no Brasil. Com a mochila cheia de experiência e força de vontade, a terceira idade chega à faculdade para aprender e, com certeza, com muito conhecimento para compartilhar. Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas (Inep), entre 2000 e 2010, houve um aumento de 182% no número de alunos com mais de 50 anos nas universidades do Brasil.

Ter o nome na lista dos aprovados no vestibular foi uma das maiores alegrias da cuidadora Vanis Mari Henriques. Aos 60 anos, ela acabou de fazer a matrícula para cursar Serviço Social na Universidade Norte do Paraná (Unopar). Entusiasmada, ela diz não vê a hora de começar as aulas e encher de orgulho o coração das filhas, Giuliana e Eduarda.

– Minha prioridade era incentivar as meninas a estudar. Tinha passado no vestibular há alguns anos, mas não pude custear as despesas. Agora que a minha caçula, Eduarda, está no fim da faculdade de Jornalismo, tomei coragem e retomei o meu sonho – conta.

Vanis confessa que está ansiosa com o desafio de voltar para uma sala de aula. Segundo a cuidadora, sua principal motivação é o apoio que tem recebido de toda a família. Agora, é olhar para frente e não desistir ao longo do caminho.

Fazer um curso superior na maturidade representa um grande desafio para muitas pessoas. Reorganizar a agenda, ter disciplina de estudo, adaptar-se à tecnologia em sala de aula e acompanhar o ritmo dos jovens são fatores diferentes em uma rotina que já estava consolidada. Mas, todas essas novidades podem ser bastante positivas no dia a dia desses calouros.

Crianças e adolescentes têm até sexta-feira para atualizar carteira de vacinação

Alunos exemplares

A coordenadora do curso de Administração da Faculdade Palotina de Santa Maria (Fapas), Michele Martins Freitas, afirma que estudo e conhecimento são válidos para todas as idades. Ela conta que os alunos que vêm para a sala de aula depois dos 50 anos temem enfrentar algumas dificuldades na nova rotina, mas isso é comum em todas as faixas etárias:

– Mesmo diante da incerteza de conseguir acompanhar o ritmo da vida acadêmica, alunos mais velhos destacam-se pela força de vontade e disciplina. São pés no chão, têm um raciocínio direcionado e se relacionam bem com os jovens. Geralmente, são os portos seguros dos grupos.

Ainda de acordo com Michele, a pontualidade e o comprometimento dos alunos que voltam a estudar depois dos 50 anos é exemplar. Ela diz que o ritmo deles é tranquilo e que sabem aproveitar ao máximo o tempo em sala de aula.

Sites e aplicativos são projetados para roubar sua atenção, seu tempo, sua vida

– Geralmente, esses alunos já estão no mercado de trabalho e vêm à faculdade para se especializarem nas áreas em que atuam. São incentivados pelos colegas e pela família e dificilmente desistem – afirma.

Michele acrescenta, ainda, que os calouros da terceira idade não têm medo de enfrentar o mercado de trabalho. Isso porque, na maioria das vezes, eles já ocupam o seu espaço na sociedade em diferentes áreas, o que também faz deles alunos diferenciados.

Dedicação total

A presidente da Associação Santamariense de Esportes Náuticos (Asena), Cristina Bitencourt Ribeiro, sempre teve o sonho de estudar, mas a falta de recursos financeiros na juventude fez com que ela adiasse a formatura. Hoje, aos 53 anos, ela se orgulha do diploma de Educação Física, conquistado na Faculdade Metodista de Santa Maria (Fames).

– Não poderia ter feito outro curso. Eu e meus filhos, Gilvan e Givago, temos uma vida dedicada ao esporte, e isso é muito forte em nossa família. Queria ter estudado antes, mas o tempo foi agora, com os filhos crescidos e encaminhados – diz.

Apaixonada por esportes, a educadora física orgulha-se do diploma  Foto: Gabriel Haesbaert / NewCo DSM

Cristina conta que voltar às salas de aula foi uma experiência e tanto. Ela garante que não teve dificuldade com a nova rotina, pelo contrário, aproveitou a oportunidade para fazer novos amigos.

Fátima Doré é auxiliar administrativa no Sindicato dos Professores do Ensino Privado do Rio Grande do Sul (Sinpro). Aos 55 anos, voltou às salas de aula e garante que não vai desistir. Afastada dos estudos desde 1989, Fátima conta que decidiu cursar Administração na Fapas para se aperfeiçoar na função que exerce no sindicato.

Workshop gratuito para professores trabalha o cinema como ferramenta de ensino

A universitária diz, ainda, que, se depender do incentivo dos filhos, Bruno e Lucas, ela vai dar conta do recado. Em aula há duas semanas, ela garante que foi muito bem recebida pelos colegas. Fátima acredita que entrar no ritmo de estudos do Ensino Superior será o grande desafio de sua vida a partir de agora.

Na reta final

O coordenador de vendas da CVI Coca-Cola de Santa Maria, Robson da Silva Nascimento, está no penúltimo semestre da faculdade. Motivado por uma promoção na empresa, fez vestibular para Administração na Fapas e resolveu estudar 28 anos depois de concluir o Ensino Médio:

– O mais interessante é o valor que a gente agrega consigo mesmo e com as pessoas que torcem pela gente. Fora a troca de experiências com os jovens. A gente aprende muito com a energia deles.

A única dificuldade que teve neste período foi ficar mais tempo fora de casa. Mas o incentivo da esposa, Cristiane, e dos filhos, Rafael, Eduardo e Gabriel, fizeram com que ele focasse no diploma que será recebido em janeiro de 2018.