21/08/2017 | 13h31m

Moda e beleza

Cabeleireiro dá dicas para você assumir, de vez, os cachos

A tendência é manter os cabelos naturais, repicados e esvoaçantes

Lucas Amorelli / New Co DSM

Na adolescência, a assistente social Natália Souza, da Secretaria de Saúde de Santa Maria, quis dar um fim nos cachos. Decidida a seguir a moda dos cabelos lisos, correu para o salão de beleza para fazer relaxamento nos fios. O resultado não foi o que ela esperava. Na semana seguinte, teve que fazer um corte radical.

– Meu cabelo, que estava com comprimento abaixo do ombro, começou a quebrar da metade para baixo. Arrebentava só de tocar. Tive que cortar bem curtinho. À época, eu tinha 15 anos. Foi traumático – desabafa.

Hoje, 16 anos depois, Natália é apaixonada pelos cachos. Ela conta que nunca mais quis alisar os cabelos. Faz hidratação uma vez por semana e, no dia a dia, usa cremes sem enxague e potencializadores.

Moda e a desconstrução dos padrões de gênero

– Quem disse que cabelos crespos são difíceis de cuidar? É só uma questão de ajuste com a correria do dia a dia. Como viajo bastante, lavo, abuso dos cremes para pentear e deixo os fios soltos. O importante é que assumi o meu cabelo como ele é – assegura.

Para a estudante de Sociologia Tatiéle Brites, de Santa Maria, aceitar o cabelo crespo demorou um pouco mais. Ela revela que, por diversas vezes, sofreu preconceito em entrevistas de emprego e até em relacionamentos por causa do volume dos cabelos.

– Eu era muito revoltada com meu cabelo. Na verdade, quis me ajustar a um padrão imposto pela sociedade. Desde os 10 anos, submetia os crespos a produtos químicos. O triste disso é que, quanto mais eu gastava, menos o meu cabelo ficava bonito – lembra.

O cabeleireiro Lucimar Casagrande, de Santa Maria, concorda com Tatiéle de que havia um forte apelo da sociedade para que as pessoas alisassem os cabelos. Por conta dessa pressão, chapinhas, químicas, gastos excessivos e horas de salão faziam parte da rotina da estudante. Até que, aos 25 anos, ela percebeu que as crespas começaram a dizer não para o alisamento. Naquela fase, foi bastante criticada, teve uma recaída e alisou de novo. Mas, de dois anos para cá, o cabelo natural é a sua identidade.

Veja as 17 coleções de formatura dos alunos de Tecnologia em Design de Moda

– O processo não é fácil. Requer muita dedicação. Comecei cortando as pontinhas e sigo um cronograma capilar de hidratação, nutrição e reconstrução. Assumir o cabelo crespo é libertador. Vale muito a pena – incentiva.

Segundo Lucimar, a influência sobre o fim dos cachos vinha também de ações de marketing de fábricas de produtos para alisamento. Ele acredita que esse apelo perdeu espaço e que as cacheadas estão mais seguras com o visual natural.

Foto: Lucas Amorelli / New Co DSM

– Felizmente, a ditadura do cabelo liso caiu. A tendência é manter os cabelos naturais, repicados e esvoaçantes. Atualmente, todas as empresas de produtos capilares dispõem de elementos específicos para cabelos crespos – comemora.

Tatiéle hoje faz parte de um grupo cada vez maior: o de mulheres que abandonaram a química e investem na recuperação da forma natural dos fios.

Segundo Lucimar, chamado de transição capilar, esse processo não acontece da noite para o dia e exige paciência, já que é necessário esperar o cabelo crescer. Ele enfatiza que o fio que já passou por química teve sua estrutura modificada e não volta mais à forma original.

Apesar de ser uma entusiasta dos cachos, Tatiéle reforça que nenhuma imposição é boa. Ela explica que assumir os cabelos a deixou mais feliz. Porém, acredita que, se alguém não se sente bem com o cabelo crespo, também tem todo o direito de mudar.

Hábito de roer as unhas pode ser sinal de transtorno de ansiedade e causar prejuízos à pele e aos dentes

Lucimar concorda com a estudante e diz que a tendência que nunca está na moda é o preconceito com a autoimagem e que o mais importante é a segurança na hora de assumir o próprio cabelo.

Cabelo em dia

Quer assumir os crespos? Lucimar Casagrande aponta algumas dicas para ficar com os fios ainda mais lindos: 

– Tenha persistência e muita paciência para reaprender a cuidar do cabelo crespo ou cacheado
– Como os fios já têm química, o ideal é tratar e ir cortando aos poucos. Não é necessário picotar o cabelo. Desbastar as pontas é suficiente
– Na hora de cortar, procure profissionais especializados em cabelos crespos
– Cortes repicados e medianos são os ideais para esses tipos de cabelo
– Escolha sempre shampoos hidratantes e à base de vitaminas
– Hidrate regularmente
– Use cremes de modelagem, sem enxagues, espumas ou mousses para acentuar os cachos
– Ao secar, deixe os cabelos ¿esvoaçantes¿. Fica bonito e está na moda